profile.

Viviane Borges, 20 anos, bacharelanda em Direito, ovolactovegetariana, ciberativista, Web Designer, viciada em internet. RJ/Brasil. Brinque com o Fatumtw ↓ Contador a partir do dia 15 de julho de 2011 free counters

ask box

Objeto Medíocre: Crônica daquilo que ela, a insônia, precisava saber

Pus meus óculos e fui escrever. Você precisava saber da minha neurose. Dessa coisa meio estranha que bate de dentro pra fora, que resolveu nascer nalgum canto e foi crescendo e crescendo e crescendo e crescendo.

Você precisava saber que chovia. Chovia fraco no início. Chovia de fora pra dentro. E se quer saber, estamos molhados.

Você precisava saber que estamos molhados com os pingos da chuva que caiu esta noite. Sorrindo, eu tinha que contar para alguém sobre a minha loucura. Mesmo que você já soubesse de loucuras maiores. E infinitamente mais bonitas que a minha.

Foi mais uma noite complicada. Deu meia noite e quarenta, inevitavelmente eu me lembrei de você.

Sorrisos, caras, trejeitos, peito, bunda, perna, nariz, abdômen, piadas sobre pessoas com menos de um metro e sessenta de altura.

Deu uma, duas da manhã, eu notei que chovia.

Quem se molhava às duas da manhã numa cidade como esta, numa tristeza como esta, numa solidão esquisita como esta? Ah, seria bonito…

Eu sorri e fui lá fora. Fui lá fora aplaudir o poema celestial que as nuvens declamavam. Os trovões, relâmpagos e ventos fortes me fizeram sorrir e por uma primeira vez nos últimos dois segundos, eu me esqueci de você. A escuridão me declamava seus versos. E diferentemente daqueles que eu faço, os dela não eram (e não são) simples versos de amor.

A noite avançava loucura a dentro. E eu estava no meio disso tudo. Sorrindo, drogado, quase maluco de tanto achar bonito essa coisa de tempestade, rajada de vento, relâmpago e trovoada.

Eu queria ter um filho, uma mulher e um cachorro. Mas estava rodeado por livros e mais livros e memórias e mais memórias e sorrisos e mais sorrisos e mais… e mais nada. O que mais a precisava para a vida? A noite avançava loucura a dentro. Senti frio. Quis um abraço. E me lembrei do abraço dela.

O nome dela escrito numa folha de papel sulfite. Eu queria contar isso a alguém. Então preferi que fosse você. Minha eterna confidente já não pode mais compartilhar da minha loucura. Ela agora está em outra. E eu já não posso mais contar comigo. Estou só. Uma risada cairia bem agora, feito um desesperado instante sarcástico. Alguns dizem que eu sou sarcástico. Mas por que eu o seria contra mim mesmo? Faz sentido?! Sarcasmo… Estive pensando. Ajeitei os óculos e parei de sorrir. Não. Sou controlado. Paciente. Sou um homem quase razoável. Como a maioria dos demais.

A noite avançava loucura a dentro e já eram três da manhã quando eu me lembrei que ela recusou o meu abraço das últimas três vezes que nos vimos. Ah, fazia frio! Os ventos incomodavam. Eles eram donos de braços invisíveis que pareciam me molestar numa madrugada mais curta que as outras.

Não houve uma gota de álcool sequer. Também não houve choro, separação, luz de velas. “Acho que a gente deveria parar de se falar por enquanto. Isto vai ser saudável”. Foi o que eu disse. Agora a madrugada era a minha grande confidente!

Depois veio as quatro da manhã e eu me pus a pensar no amor como um grande inconveniente para a satisfação pessoal. “Eu te amo” e “Me desculpe” - duas frases que não fazem muito o meu estilo. Uma não modifica em nada a outra. Talvez complemente. E quando a ferida está aberta, pedir desculpas não serve para curar as dores. Ah, as dores… Quem as cura?

Cacete, que imagem gloriosa! Que mágico momento! Que alegre nascer de mais um dia! Pois bem…

Talvez fosse a hora que estivesse escrevendo, pois a verdade é que fiquei no quintal esperando que o dia raiasse. Não havendo mais ela ou aquela caprichosa, decidi declarar-me a você. Grande dona dos desastres.

Às cinco eu já estava morto. Morri momento a momento enquanto as lamentações me foram vindo… Lamentações por uma vida que não vivi ou pelo poema que não me viveu. Eu não sei. Talvez fosse morrendo aos poucos numa espécie de tiro ao alvo de hora em hora. Uma, duas, três balas trancafiadas no meu peito. Agora eram cinco, depois seis, pois que venham todas as balas que ainda faltam e me exterminem de uma vez por todas, pois o melhor de mim já se foi. Morri aos poucos e aos poucos também ainda sobrevivo…

Agora, pois, sou uma voz que diz aflita, quase rouca e muda – você precisava saber da minha neurose, da minha tragédia, do meu encanto.

Você precisava saber do meu grande caos, dessa solidão ridícula que estou sentindo, desse ciúme patético e infantil, desse afastamento, dessa depressão, dessa dor no rim, desse parágrafo desesperadamente dramático e pouco importante, dessa crônica nascida enquanto eu morria por não saber se chorava ou se sorria, dessa rima mal feita entre dois verbos conjugados no pretérito imperfeito, desse acordo deselegante entre o amor e o restante da vida.

Você precisava saber desse grito desesperado, entalado na garganta há mais de uma centena de anos.

Você precisava saber desse trauma, desse desencanto, desse canto que nasceu enquanto chovia – e agora estou molhado, com frio e sorridente, embora pareça triste, estou feliz sem que ninguém saiba.

Estou gritando.

Eu estou gritando antes das nove da manhã. É contra lei? Você precisava saber desses meus berros. Desse meu grito desajeitado. E ao mesmo tempo silencioso.

Que na verdade sou eu.

Retiro os óculos da cara, coloco-os em cima da escrivaninha antes das dez da manhã. Vou dormir. Espero sonhar com plantações de uva.

Heitor Henrique. 

Reblog this!
? 89 notas
Permalink
? 26.06.2013 às 13:11

841 POSTAGENS, 

1039 SEGUIDORES?

Quase três anos parado. UFA, bora começar a “trabalhar” novamente.

Permalink
? 26.06.2013 às 12:59
Saudades

Aquele sentimento ÓTIMO que faz sua vida mudar para o que era antes; a vida é feita de ilusões, então porque não se permitir viajar nesse universo?

Para aqueles que lembram de mim, uma unica palavra VOLTEI. 

Estou muito feliz por ter dado vida novamente  ao  ”THE BEST PART OF MY WORLD”

Permalink
? 26.06.2013 às 12:57
12 de dezembro de 2011

Foi a data de criação do ‘The best part of my world’, ano passado estava mega animada com esse mundo “desconhecido” chamado Tumblr porém já não me sinto mais assim e não é só em relação ao Tumblr e sim em todas as redes sociais. Os novos usuários copiando TUDO daqui e postando no facebook. Me cansa.

Nunca fui a favor, aliás, nunca me bateu o sentimento que aqui era meu “refúgio”, lugar somente de falar de amor não/-correspondido, e para falar a verdade já critiquei demais essa prática, porém aos poucos a gente amadurece e percebe que é essencial respeitar a opinião alheia.

Já pensei várias vezes em deletar essa conta e fugir disso aqui, porém, eu tenho tantas pessoas aqui que gostam das minhas postagens, tantos seguidores e já não quero mais decepcionar; 3 ou 4 meses que não posto nada aqui, ABANDONEI “A melhor parte do meu mundo”, eu sei, extremamente DESNATURADA, rs!

Então estou voltando, 2º NATAL no Tumblr *—-* //Ok, só para seguir um pouquinho as postagens de 1º natal e tal  .. rsrs!

Vou dá uma arrumada nisso aqui, e provavelmente volte com TUDO amanhã. 

Fiquem todos com Deus e uma ótima semana para todos. 

Permalink
? 19.12.2011 às 10:19
? maisumajess:
teu aniversário? feliz aniversário! :) que vc seja beeeeeeeeeeeeeeeeeeem mt feliz "-"
? The best part of my world:

É meu aniversário sim, rs!

Muitoooooooooooooooooooooooooooooooooo obrigada, mesmo! *—-*


Permalink
? 07.11.2011 às 09:21

Um feliz aniversário para mim *——*

Reblog this!
?1 nota
Permalink
? 06.11.2011 às 22:10
Permalink
? 04.10.2011 às 20:46
Conheça o tubarão-baleia, um peixe dócil que nada pelos oceanos

Tem pintas, mas não é peixe. É enorme e vive no mar, mas não é baleia. Não tem nada de violento e ameaçador, mas é um tubarão. Já acertou que animal é esse? O maior peixe vivo do mundo, o tubarão-baleia, tem até 18 metros de comprimento, é dócil e nada lentamente pelos oceanos com a boca entreaberta, se alimentando principalmente de plâncton.

Esse peixão não fica parado e cruza até mesmo oceanos. Um dos lugares por onde costuma passar está no limite do território brasileiro: o Arquipélago de São Pedro e São Paulo, no meio do oceano Atlântico. Lá, alguns pesquisadores se encantaram por ele e criaram, em 2004, o Projeto Tubarão Baleia, para conhecê-lo melhor e entender sua preferência por esse conjunto de ilhas.

O Projeto Tubarão Baleia estuda os animais que passam pelo Arquipélago de São Pedro e São Paulo, no meio do oceano Atlântico (Foto: Bruno Macena/Projeto Tubarão Baleia)

“Estamos tentando desvendar o mistério de por que o tubarão gosta tanto de lá”, conta o biólogo Bruno Macena, um dos coordenadores do projeto. Cheio de nutrientes, o lugar parece ideal para ele se alimentar.

Até agora já foram vistos 136 tubarões-baleia no entorno do arquipélago, quinze deles foram identificados e cinco estão sendo acompanhados de pertinho. Os pesquisadores colocaram transmissores na pele dos animais, e ficam sabendo via satélite em que local, profundidade e temperatura eles estiveram.

As notícias mais recentes dos tubarões são que três deles, após passar pelo arquipélago, nadaram em direção ao continente americano e um rumo à África. Além disso, perto das ilhas, o segundo animal marcado – uma fêmea grávida – registrou o maior mergulho já registrado para essa espécie: quase dois quilômetros de profundidade a uma temperatura de 4°C.

Outro detalhe bacana sobre essa espécie é que ela pode ajudar vários outros animais, como o peixe-rei, o xaréu e a raia manta. “Quando o tubarão-baleia aparece, enorme, oferece proteção para muitos peixes que fogem de predadores”, diz Bruno.

Apesar de tudo isso, os mergulhos incríveis dos tubarões-baleia estão ameaçados por causa da pesca que ocorre no Oceano Índico, onde eles também passeiam. Assim, projetos de conservação desta espécie são cada vez mais importantes!

Fonte: Ciência Hoje

Permalink
? 04.10.2011 às 20:39
Outubro marca período crítico do tráfico de papagaios

Foto: Divulgação/ A Tribuna

Desde o início de setembro, 1.369 filhotes de papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva) foram apreendidos pela Polícia junto a traficantes de animais no Brasil.

O dado, divulgado pela ONG SOS fauna, coincide com o período de reprodução da espécie (setembro a dezembro), sendo a fase de maior incidência de tráfico de papagaios provenientes da região Centro Oeste do País, principalmente no estado do Mato Grosso do Sul.

Desde setembro, já foram feitas sete apreensões, sendo que em duas delas as aves estavam com as mesmas pessoas, isso em um período inferior a 15 dias.

Para Marcelo Pavlenco Rocha, presidente da ONG, a reincidência é comum nestes casos, pois a lei de crimes ambientais de 1998 abrandou as penas e considerou como delitos de menor potencial ofensivo os relacionados ao tráfico de espécimes nativas.

Rocha destaca ainda que há pouco conhecimento e vontade do poder público em punir e coibir os crimes ambientais, principalmente os relacionados ao tráfico de animais silvestres, que conforme apontamentos é a terceira atividade ilícita mais vantajosa do mundo, estando atrás apenas do tráfico de entorpecentes e do tráfico de armas.

Juliana Machado Ferreira, bióloga doutoranda da Universidade de São Paulo (USP), alerta ainda que nas apreensões realizadas nos primeiros dias de setembro foram encontradas apenas espécies com menos de 10 dias de vida.

No dia 10 de setembro, por exemplo, membros da Polícia Militar Ambiental encontraram 141 filhotes de papagaio-verdadeiro em uma casa de Batayporã, uma das cidades que concentram o tráfico de animais em Mato Grosso.

O grande número filhotes que são retirados do ninho leva à preocupação de que haja uma ruptura no ciclo de vida da espécie, onde predominariam apenas os animais mais velhos.

Sem a devida renovação, Juliana afirma que no futuro poderá ocorrer uma diminuição nas populações nativas e até mesmo a sua extinção.

O papagaio-verdadeiro é nativo das regiões de mata úmida ou seca, em beira de rios e cerradões na Bolívia, Paraguai e Norte da Argentina.

No Brasil, ocorre do Nordeste, mais especificamente no Piauí, Pernambuco, Bahia, pelo Brasil central nas Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso, ao Rio Grande do Sul.

Na Natureza, a fêmea gera de três a cinco ovos por ninhada, que são incubados por quase 30 dias. A ave tem uma expectativa de vida em torno de 80 anos.

Fonte: A Tribuna

Permalink
? 04.10.2011 às 20:38
Coalas ganham namoradas e assustam rivais no grito

Músculos do trato vocal fazem com que coalas soem bem maiores do que são. Foto: Getty Images

Eles são fofos e parecem muito bobões. Mas, por trás da expressão meiga, os coalas guardam estratégias de defesa e de conquista muito astutas. Uma pesquisa da Universidade de Viena revela que os coalas utilizam seus berros para atrair fêmeas e intimidar outros machos.

Liderados por Benjamin Charlton, os pesquisadores descobriram que os barulhos emitidos pelos coalas servem para conquistar as fêmeas e para que seus rivais saibam com quem estão lidando, na medida em que esses barulhos traduzem o tamanho do animal. A pesquisa foi publicada no periódico Journal of Experimental Biology nesta quinta-feira (29).

Animais maiores com tratos vocais mais longos produzem ressonâncias mais baixas, dando à sua voz uma qualidade de barítono. Dessa forma, coalas com essas características teriam a capacidade de emitir ressonâncias mais profundas com o objetivo de dizer aos outros coalas o quão grandes eles são.

Os coalas maiores teriam, então, as ressonâncias mais baixas, e os coalas menores, ressonâncias mais altas. Dessa forma, qualquer coala que ouve um berro pode calcular o tamanho do animal que está emitindo o som.

Laringe mais baixa, voz mais profunda

A partir daí o objetivo do grupo de pesquisadores foi descobrir se os coalas machos teriam laringe descendente. Em conjunto com pesquisadores do Moggill Koala Hospital e da Universidade de Queensland, eles estudaram a anatomia do trato vocal do coala, utilizando exames de ressonância magnética e estudos feitos em animais já mortos.

Os resultados indicaram que a laringe do coala havia descido até o nível da terceira e da quarta vértebras cervicais, em vez de ficar na altura da garganta. Os coalas teriam evoluído no que se refere à laringe ao longo do tempo.

Um dos achados que surpreendeu os cientistas foi o de que o músculo que liga a laringe ao esterno estava ancorado profundamente no tórax. Em função disso, os pesquisadores sugerem que esse mecanismo poderia estar envolvido em puxar a laringe ainda mais para baixo na cavidade torácica. A laringe baixa faz as vozes mais profundas, pois estende o trato vocal.

Mas foi só depois de gravar os sons produzidos pelos coalas que Charlton compreendeu que as características da laringe tinham a ver com a acústica dos berros dos animais.

Enganando bem

No entanto, o mais surpreendente para os pesquisadores foi perceber que os coalas são capazes de se fazer soar como se tivessem tratos vocais com 50 centímetros de comprimento, o que significa quase toda a extensão do animal.

A conclusão da equipe é a de que os coalas machos podem, através de seus berros, informar o seu tamanho. Além disso, os cientistas acreditam que os coalas usam simultaneamente a ressonância do trato oral e nasal para parecerem maiores do que realmente são.

“Indivíduos que podem alongar seu trato vocal, diminuindo a laringe, podem ter ganhado vantagens durante a competição sexual por parecerem maiores, e isso iria impulsionar a evolução da laringe descendente”, afirma Charlton.

Fonte: IG

Permalink
? 04.10.2011 às 20:38
Reblog se sua Mãe é linda.

(Fonte: feedy0urmind)

Reblog this!
?934.761 notas
Permalink
? 04.10.2011 às 20:37
África do Sul pode legalizar venda de chifre de rinoceronte e conter caçadas

A África do Sul poderá legalizar a venda de chifres de rinocerontes para combater o mercado negro alimentado pela caça que, este ano, se converteu numa verdadeira carnificina, informou a imprensa local, citando o ministério do Meio Ambiente.

O chifre de rinoceronte pode ser vendido a preços que chegam a US$ 500 mil cada um no mercado negro asiático, segundo a Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies de Fauna e Flora Selvagens (CITES).

Os consumidores vietnamitas, tailandeses e chineses atribuem ao chifre propriedades afrodisíacas e médicas, em particular contra o câncer.

Desde o começo do ano, pelo menos 287 rinocerontes foram mortos na África do Sul, apenas para se abastecer os mercados da medicina tradicional asiática de chifres.

A África do Sul tem uma quantidade secreta de chifres de rinocerontes armazenados pelas autoridades e obtidos de animais mortos naturalmente na selva ou confiscados dos caçadores que foram presos.

Rinoceronte morto por traficantes de chifres na África do Sul (Foto: Ilya Kachaev/REUTERS)

Acordo

Na última semana, a África do Sul e o Vietnã anunciaram que firmaram um memorando de cooperação para combater a matança de rinocerontes, caçados ilegalmente devido ao comércio de chifres no mercado negro da Ásia.

O acordo de cooperação ainda não tem data entrar em vigor, mas tem o objetivo de unificar ações policiais entre as duas nações. Se a morte destes animais seguir neste ritmo, especialistas afirmam que a manutenção da população dos rinocerontes ficará ameaçada nos próximos dois anos. Em 2010, foram registradas 333 mortes de espécimes, contra 13 no ano de 2007.

Fonte: G1

Permalink
? 04.10.2011 às 20:35
Japão vai voltar à Antártida para caçar baleias, agora com escolta

Confrontos nas águas da Antárctida em 4 de Fevereiro deste ano. Foto: Gary Stokes/Sea Shepherd/Reuters

O Japão anunciou que vai voltar à Antártida, a partir de Dezembro, para caçar baleias. Mas desta vez, a frota baleeira terá uma escolta para como proteção contra os navios ecologistas da Sea Shepherd.

A notícia foi dada em conferência de imprensa pelo ministro japonês das Pescas, Michihiko Kano, segundo o qual um navio patrulha da Agência de Pescas vai acompanhar a frota baleeira. Desta vez, a caça à baleia “será realizada com maior proteção contra obstruções”, citou a estação de televisão japonesa, NHK.

Nos últimos anos, a caça à baleia tem se tornado mais tensa por causa dos confrontos entre caçadores e ecologistas. No ano passado, em Fevereiro, as atividades da ONG nas águas da Antártida levaram, pela primeira vez, Tóquio a suspender a sua campanha na Antártida. A Sea Shepherd mobilizou várias embarcações para seguir a frota japonesa, utilizando cordas para bloquear as hélices dos navios e colocando-se entre estes e as baleias. A organização garante ter conseguido evitar a morte de 800 animais.

Pouco depois, o Japão anunciou que iria ponderar o fim da caça “científica” à baleia, uma prática tolerada pela Comissão Baleeira Internacional, que proíbe desde 1986 a caça comercial aos cetáceos. Os países defensores das baleias e ambientalistas denunciam esta prática como uma caça comercial disfarçada.

Porém, ministro japonês acabou com as dúvidas e afirmou que o seu objetivo é conseguir retomar da caça comercial e que, por isso, precisa continuar a investigação científica na Antártida.

A Sea Shepherd criticou a decisão do Governo japonês e disse que este ano vai reforçar os meios para travar a frota japonesa, com a operação “Operation Divine Wind”. No âmbito desta operação, serão mobilizados cem ativistas voluntários para a Antártida.

Paul Watson, o responsável da Sea Shepherd, acusa o Japão de “estar, simplesmente, obcecado por matar baleias não por necessidade, mas por lucro, porque acredita que tem o direito de fazer aquilo que quer num santuário para baleias, reconhecido internacionalmente, apenas para defender a sua honra”.

Fonte: Ecosfera

Reblog this!
?6 notas
Permalink
? 04.10.2011 às 20:35
Frente parlamentar pede votação da proibição de animais em circos

A frente parlamentar marcou sua primeira atividade para o Dia Mundial dos Animais. Foto: Rodolfo Stuckert/ AC

A Frente Parlamentar em Defesa dos Animais, instalada na semana passada, pediu nesta terça-feira (Dia Mundial dos Animais) ao presidente da Câmara, Marco Maia, a votação do Projeto de Lei 7291/06, que proíbe o uso de animais em circos – tanto os nativos quanto os exóticos (importados).

A proposta foi aprovada em novembro de 2009 pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania e desde então aguarda inclusão na pauta do Plenário – mas, para isso, depende de acordo entre os líderes.

O presidente da frente, deputado Ricardo Izar (PV-SP), disse que Marco Maia sugeriu a discussão desse assunto na reunião do Colégio de Líderes marcada para hoje, às 16 horas. Na reunião, será discutida a pauta do Plenário para esta semana.

Conforme o texto aprovado na CCJ, os circos terão oito anos para se desfazer dos animais que possuem, enviando-os para parques registrados no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Criada com o apoio de 212 parlamentares, a frente vai debater e sugerir medidas relacionadas ao controle populacional de animais, ao combate da caça e do tráfico de animais silvestres, às condições de transporte e sacrifícios, ao aperfeiçoamento da legislação vigente e à proteção do habitat natural.

Participaram da audiência com Marco Maia parlamentares que integram a frente e representantes de organizações não governamentais que defendem os direitos dos animais.

O presidente da ONG Veddas – Vegetarianismo Ético, Defesa dos Diretos Animais e Sociedade, Jorge Guimarães, pediu que não seja votado o Projeto de Lei 4548/98, que descriminaliza os maus-tratos a animais domésticos. O projeto, que exclui esse item da Lei dos Crimes Ambientais (9.605/98), já passou pelas comissões permanentes e está pronto para a pauta do Plenário. Guimarães argumentou que a Constituição garante a proteção a todos os animais, sem diferenciação.

Fonte: Agência Câmara

Permalink
? 04.10.2011 às 20:34
Página 1 de 175 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 »
© Theme desenvolvido por Bruna Amaro.